terça-feira, 12 de maio de 2009

O complexo é ser simples

Tem faltado muita simplicidade no mundo de hoje. Com a nossa atual realidade super, ultra, mega, hiper tecnológica, mercantilizada e conectada em tempo real, não tem sobrado espaço para as coisas simples e pueris da vida.

Para tudo que formos fazer na vida, já existem modelos e fórmulas pré-concebidas de como teremos de nos comportar e quais scripts teremos de seguir.

A propaganda – e essa é a função dela – têm cada vez mais roteirizado a vida de todos nós, cidadãos comuns, bombardeados que somos, diuturnamente, pelas campanhas publicitárias e pelas estratégias e jogadas de marketing, que já parecem estar onipresentes em todos os campos e áreas da era moderna.

E para as pessoas dotadas de baixo ou nenhum senso crítico, o bombardeio do marketing pode ser fatal para a capacidade de raciocínio e discernimento.
Há jovens (e muitos maduros também) que começam a se comportar como se a vida atual, ultraconectada e on-line, fosse um eterno reality show.

Pessoas dotadas de precária instrução, mas de muita informação, simplesmente não sabem o que fazer com a última. Querem ser, ou acham que são, instants celebrities, ou seja, pessoas que são populares gratuitamente, sem a necessidade de serem notórias em alguma área do conhecimento humano.

E quando falo em baixa instrução e cultura, não me refiro especificamente às camadas pobres da nossa população, que realmente têm muitas dificuldades de acesso à educação em nosso injusto país. Falo sim, e principalmente, dos jovens ricos e de classe média, que têm se comportado de maneira cada vez mais estúpida e violenta, não dando nenhuma importância às leis ou ao respeito pelo próximo e à vida em sociedade.

Reputo toda essa ignorância, agressividade e pasteurização das pessoas à baixíssima importância que a sociedade moderna tem dado à formação do caráter das nossas crianças e jovens, aliada à altíssima importância que tem sido dada ao consumo desenfreado, desregrado e imposto maciçamente aos nossos pretensos cidadãos.

Mais do que nunca, hoje o que importa é ter, e não ser. Não se pensa mais na essência humana. Apenas na aparência humana. O importante é aparecer sempre bem na foto e parecer ser alguém de bem (ou de bens). Ninguém precisa ser alguma coisa, basta parecer que é alguma coisa. Vivemos a idade da imagem e, nada além dela, parece ter alguma importância. Ande assim. Compre isso. Vista aquilo. Dirija o carro X, que você ficará mais interessante. Adquira a mais nova versão do produto Y. Você não pode ficar de fora dessa jogada. São bordões e slogans repetido como mantras sagrados pela publicidade. E que têm tornado nossa vidas cada vez mais complexas e cheias de necessidades criadas, que logo passam a ser tidas como imprescindíveis.

Divulgam tudo. Promovem tudo. Mercantilizam todo tipo de relações e sentimentos. A única coisa que não vejo ser valorizada é a simplicidade no dia-a-dia das relações humanas. Tudo está ficando complexo demais, chato demais, mecânico demais. Excesso de serviços e produtos dos quais não precisamos. Excesso de profissionais dos quais não precisamos. É a onda dos “personal” pra tudo. Pra se vestir. Pra praticar esportes. Pra se alimentar. E haja gente ganhando dinheiro no mole, com consultorias bestas que não nos ajudam em nada, e das quais ninguém precisa. Apenas maneiras de tornar a vida cada vez mais profissional e roteirizada. Precisamos resgatar a simplicidade, a verdadeira vida simples. Mas do jeito que as coisas vão, está ficando cada vez mais complexo ser simples.

7 comentários:

Única e Exclusiva disse...

Se vc conseguir simplificar a vida passa a receita, compartilhe, por favor rsrrsrrs.

Um texto da vida real, retratada de um forma geniosa e esplêndida, tenho orgulho de ter vc no meu hall de amigos. :D

Bjinhos únicos dear

Ragas disse...

"Há jovens (e muitos maduros também) que começam a se comportar como se a vida atual, ultraconectada e on-line, fosse um eterno reality show."

Simplesmente CLAP, CLAP, CLAP!!!

Altavolt disse...

U&E: Acho que o nosso grande desafio, no mundo atual, seria o de simplificar e simplesmente viver mais a vida! Beijo!

Ragas: Valeu a visita. Eu é que bato palmas para os seus textos! Abraço!

Sweet Toxicant disse...

É, meu querido Alta... o verdadeiro marketeiro não é aquele que atende às necessidades dos consumidores, é aquele que INVENTA necessidades para os consumidores acharem que as têm...

Eu tenho uma irmã adolescente, de 15 anos.. e pro meu desgosto ela é exatamente esse perfil dos jovens atuais que seguem as tendências que a mídia dita. Não adianta eu falar, não adianta meus pais falarem... ela recebe a influência dos amigos da mesma idade e a mesma idéia imbecil, de que bonito é ser ridículo, é não ter opinião própria, é querer parecer algo que não é... O que eu vou fazer com ela? Matar? Eu tento dar exemplo, mas se ela não segue... mas eu juro, que tenho medo dessas pessoas... imagina como o mundo vai ficar daqui pra frente? Está mesmo cada vez mais complexo ser simples.

Entretanto, eu sigo de cabeça erguida com minha simplicidade. Para muitos, eu sou anti-social. Para muitos outros, sou estranha. E para outros muitos ainda, eu sou do contra. Para poucos, bem poucos (e os mais valiosos para mim) eu sou simplesmente eu. E é por isso que eu sinto tanta dificuldade de me encaixar num grupo. Pensando bem... pouco me importa... hahahha!!

AH, o seu texto me fez lembrar de um texto do Carlos Drummond de Andrade: Eu, Etiqueta.
Confira aqui: http://www.pensador.info/frase/MjAyODM0/

Beijos meu querido inteligentíssimo!! =D

Adoro os seus textos!!

Sweet Toxicant disse...

Obs: desculpa, eu escrevo muito... só depois que mandei o comentário foi que percebi que ele ficou enorme! Hahahahaha!

Altavolt disse...

Cara Sweet: Tudo o quanto vc escrever neste espaço será sempre muito bem-vindo. Quem dera se todas as pessoas se expressassem da maneira fácil e direta como você faz. Isso sim tornaria a vida mais simples e descomplicada para todos nós. Grande beijo!
PS: Inteligentíssima é vc, que é muito mais jovem do que eu e já tem todo esse discernimento sobre a vida!

Mari - é como quero ser chamada. disse...

Excelente.
Enquanto lia pensei assim:"por isso que não quero me formar em propaganda..".
Isso me faz pensar, não quero participar e ajudar nesta porcaria toda, contribuir pra isso.Por isso não vou fazer propaganda.Rs*
E mais uma coisa, vejo aqui um encontro de pessoas na mesma barca, vistos como estranhos, do contra...querida Sweet Toxicant, também me sinto assim!

Beijinhos querido!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...